Você também sente que o tempo passa, o tempo voa e a sociedade continua carente de exemplos positivos? Pois é, tem hora que eu tenho a impressão de que essa Era de “bandido que virou herói” não vai passar mais. Então, quebrando essa métrica, a gente vai contar a história de um casal que merece.

Ter pais que despertam orgulho e inspiração pode não ser o caso da maioria, afinal a gente sabe que ser pai não é tarefa fácil. Mas dependendo das atitudes que eles manifestam ao longo da vida, os filhos acabam sendo influenciados. Isso acaba se refletindo na maneira como se comportam, enxergam a realidade e interagem com o mundo ao seu redor.

Começa agora a história do Fernando e da Verônica, e a gente escolheu conta-la através do pronto de vista de sua filha Carolina Oliveira:

“Meus pais se conheceram na Faculdade. Minha mãe estava no último ano de Enfermagem e meu pai entrando em Agronomia. Ele sempre foi uma pessoa muito empreendedora. Teve padaria, restaurante, trabalhava demais, acordava super cedo… Minha mãe era gerente nacional de vendas de uma empresa da área médica, trabalhava com treinamento e viajava muito.”

Além disso, os dois sempre foram fãs do esporte, Verônica amava natação e Fernando, depois de passar por skate, competia Mountain Bike. Quando voltou de uma viagem aos Estados Unidos sentiu que no Brasil havia um gap de produtos para ciclistas e desenvolveu – na raça – uma bolsinha que acopla embaixo do selim (assento da bicicleta).

Carol complementa: “Como tudo na vida, meu pai vai criando as coisas conforme a necessidade. Começou a desenhar e produzir a bolsinha de selim, por tentativa e erro. Confeccionou as primeiras, pôs no porta malas do carro e eles saíram pra vender. Não tinham dinheiro. Suas reservas eram de apenas 500 dólares e eles apostaram tudo em uma máquina de costura. Meu pai acreditava muito que aquilo daria certo no Brasil. Precisava do respaldo da minha mãe, que segurou as contas de casa durante anos até o negócio dar certo. Não são todas as famílias hoje que tem esse nível de parceria. Os dois sempre andaram lado a lado, um ajudando o outro, eu nunca vi ser diferente.

Não é fácil para um homem deixar que a mulher sustente a casa. Enquanto meu pai estava apostando no sonho, minha mãe o ajudava a avançar. Quando ela não estava no trabalho estava ajudando com as finanças, fazendo ligações, tentando ir atrás de lojas, etc. No começo, essa parceria entre eles foi essencial para o negócio dar certo.”

E pelo visto a coisa não foi fácil mesmo, a Carol nos contou que eles moravam em uma casinha do avô emprestada e não tinham dinheiro para nada. Enquanto estavam naquela casinha, Fernando Oliveira e Verônica Mendes Cardoso mal sabiam que estavam plantando as sementes para o que anos depois seria uma das principais marcas nacionais de produtos de esporte e aventura: a CURTLO BR.

“Minha mãe estava grávida de mim quando eles começaram. Meu pai sempre enxergou as coisas no longo prazo, sempre conseguiu ver algo que os outros não conseguiam. Além disso, esse modelo de negócio seria uma forma de conciliar família e trabalho. Queriam passar mais momentos em família e aproveitar o tempo com os filhos que estavam por vir.” Além de plantar as sementes de um novo negócio, já se preocupavam com o que anos depois se tornou uma grande busca: o balanço entre a vida pessoal e profissional. Quem não deseja encontrar o meio termo entre o que precisamos para viver, sem abrir mão do lado pessoal, social e familiar?

Carol olhando para os dois como casal tem neles uma grande fonte de inspiração. Reconhece o esforço que os pais fizeram para dar a ela e ao irmão Breno, bom estudo, uma casa legal, boas viagens. “Eu sou muito muito grata a eles. Tudo isso foi com muito suor, nada veio de graça. Eles sempre nos ensinaram a sermos humildes e a darmos valor para aquilo que realmente importa, que para eles, são as pessoas e não o dinheiro. Isso vou levar para minha vida toda.

Eu nunca os vi brigarem, nunca vi um levantar a voz para o outro ou faltar com respeito. Muito pelo contrário, eles sempre se tratam com muito carinho, presentinhos, cartinhas, etc. São muito fofos.” – ela ri.

O exemplo do casal de determinação e companheirismo, foi construído através do amor e do respeito de um pelo outro, o que reverberou não só nos seus filhos, mas em muitos que conhecem sua história.

Na volta ao mundo, pesquisando o que motiva as pessoas, vimos que histórias reais tem mesmo o poder de inspirar, e inspirados nos movemos à uma ação. Para nós foi emocionante ouvir o ponto de vista da Carol, como filha, e perceber o quanto foi influenciada positivamente; criando uma visão de mundo com valores essenciais. Já os pais que não conseguem compreender o quanto influenciam os filhos por seu comportamento ou pelos exemplos que dão, vale a pena vigiar suas atitudes.

O ditado: “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” com certeza não é algo que Fernando e Verônica adotaram em suas vidas. E as benesses dessa forma de agir, tem trazido muitos frutos ao casal.

http://walkandtalk.com.br